Jornal de Brasília: Seleção autorizada deve ser mantida

CONCURSOS Este ano, governo liberou 4.507 vagas

Para quem está estudando
com o objetivo de ingressar
no serviço público
nem tudo está perdido. Se
ficar confirmada a intenção do
Governo Federal em manter os
concursos que já foram autorizados
para este ano, conforme
informou o ministro do Planejamento,
Paulo Bernardo, estarão
em disputa, ainda, 4.227
vagas para cargos efetivos no
Poder Executivo e 280 temporárias.
Por margem de segurança,
pode-se aplicar um redutor
de 10% no número de
postos, uma vez que haverá uma
revisão no número vagas.

Fica nessa situação, por
exemplo, o concurso do Ministério
da Fazenda, que teria
duas mil vagas. Mesmo com a
possibilidade de redução na
oferta de vagas, o período de
inscrição foi prorrogado até domingo.

Quanto á contratação dos
aprovados, entretanto, o governo
não dá qualquer prazo. Com
os adiamentos e a suspensão de
novos concursos, ainda não autorizados,
o governo espera economizar
mais de R$ 1 bilhão. O
dinheiro poupado será utilizado
para ajudar a garantir o pagamento
dos reajustes salariais
concedidos àqueles que já são
servidores do Estado.

Em relação aos concursos
ainda não autorizados, o clima
nos cursinhos preparatórios é de
decepção. Entre os processos
seletivos mais esperados desse
ano estão os da Polícia Federal,
Polícia Rodoviária Federal e da
Receita Federal, que ainda
aguardam autorização do Planejamento.
O que não deve
ocorrer nem tão cedo, embora
Paulo Bernardo tenha tido que,
nessas situações, vai conversar
com cada órgão para saber se é
possível esperar ou reduzir o
número de vagas previstos.

Mas atenção, de acordo com
Bernardo, mesmo com a manutenção
dos já autorizados, haverá
atraso na abertura dos concursos
e na posse dos aprovados.
Pela lei, a partir da aprovação
por meio de portaria no Diário
Oficial da União, o prazo para
publicação do edital é de, no
máximo, seis meses. Segundo o
ministério, cada instituição é
responsável pela publicação dos
editais.

Substituição

Outras 3.259 vagas que
substituirão terceirizados deveriam
ser preenchidas ainda este
ano – mas elas ainda não foram
autorizadas e os nomes dos ministérios
para os quais serão
abertos concursos não foram
informados pelo Ministério do
Planejamento. A substituição
dos terceirizados por funcionários
efetivos está sendo feita após
compromisso firmado em 2007
com o Ministério Público do
Trabalho. Além dos concursos
para vagas efetivas, outros cinco
processos seletivos preveem 280
vagas temporárias.

Fonte: Jornal de Brasília

🔥12 Total de Visualizações