Servidores discutem formas alternativas para aquisição da casa própria


O sonho da casa própria pode ser real para os servidores do Judiciário. O técnico judiciário do TJDFT e coordenador do Projeto Águas Claras, Wesley Chaves de Albuquerque explica que o Projeto Águas Claras é semelhante ao Projeto Noroeste. “Nosso projeto segue os mesmos moldes do Projeto Noroeste. Devido ao alto custo do metro quadrado em Águas Claras e a demanda crescente de servidores do Judiciário interessados em adquirir um imóvel na cidade, decidimos planejar um sistema de associação para apoiar esses servidores”.

O Projeto Águas Claras pretende tornar real o desejo do servidor do Judiciário adquirir um imóvel em Águas Claras, e promover a todos, a partir de condomínios, o conhecimento do sistema de associação. “Adquiri meu apartamento em Águas Claras a partir da associação formada por outros servidores, o preço foi excelente e quero que todos os servidores do Judiciário possam ter a mesma oportunidade”, diz o técnico judiciário do TRT e coordenador do Projeto Águas Claras, Eduardo da Fonseca Melo

O projeto esta em fase de planejamento, mas o Sindjus já garantiu apoio aos coordenadores. “Nosso projeto muda um pouco do Projeto Noroeste, porque a Terracap não tem mais lotes a venda em Águas Claras, então não há licitações. Mas isso não dificulta o nosso objetivo. Pretendemos criar outros projetos em outras localidades de Brasília. O apoio do Sindjus também é essencial”, explica Eduardo da Fonseca Melo, técnico judiciário do TRT e também coordenador do projeto águas claras.

Com o apoio do Sindjus os coordenadores do Projeto Águas Claras pretendem acelerar a condição de moradia e oferecer, a preço acessível, aos servidores do Judiciário condições reais de adquirir um imóvel em Brasília. “Queremos trazer beneficio e qualidade de vida para o servidor”, conclui Eduardo da Fonseca.

“Depois do apoio concedido pelo Sindjus, conseguimos mostrar o nosso projeto para os servidores do Judiciário e hoje vamos homologar a compra de duas projeções de terrenos no Noroeste. Com essa conquista podemos garantir que o sonho se tornou realidade para nossos associados”, palavras do presidente da Associação Habitacional do Noroeste, Ésio Vieira de Araújo, durante reunião da Associação nesta quarta-feira (dia 1ª).

A licitação ocorreu no último dia 26 de março de 2009, onde foram postas à venda 20 projeções do Setor Noroeste, na qual a Associação arrematou duas projeções. Os apartamentos custarão até 50% mais barato para os associados. “Esse sistema de construção é muito interessante devido aos ganhos envolvidos, quando entrei em contato com o sistema de associação, em Águas Claras consegui economizar até 60% do valor total do meu apartamento”, explica o técnico judiciário do TRT e coordenador da Associação Habitacional do Noroeste, Eduardo da Fonseca Melo.

A Associação Habitacional do Noroeste é formada por grupos mistos de servidores públicos do Poder Judiciário, Executivo e Legislativo. O interesse da Associação é de construir rapidamente os prédios residenciais para que os servidores interessados em empréstimos em bancos possam participar também. “Os bancos precisam de garantias para oferecer empréstimos, então vamos tentar construir o mais rápido possível e com qualidade”, ressalta Eduardo da Fonseca.

O coordenador-geral do Sindjus, Roberto Policarpo também participou da reunião. “Pretendemos estabelecer um acordo com a Caixa Econômica Federal para garantir empréstimos aos filiados do Sindicato para adquirir imóveis em Brasília a um custo acessível”, ressalta.

Servidores satisfeitos

“Com grupo de servidores formado por associação não temos custos com marketing e quiosques e o custo final dos apartamentos saíram por 50% do valor total. Estou satisfeito, fiquei com medo inicialmente, mas conheci o projeto, consultei a associação, que tem CNPJ e estatuto e ainda, conheci outros colegas de trabalho que também são associados, isso me deixou mais tranqüilo e hoje estou comemorando”, afirma o analista judiciário do STJ, Alessandro Pereira de Albuquerque.

“Acho importante a participação do Sindjus, ajudando os servidores a entrar em contato com a associação para atingir o objetivo que é de adquirir a preço acessível, um imóvel em Brasília”, diz o analista judiciário do TRT, Brayner Gonzaga Pinto.

🔥57 Total de Visualizações