Folha Dirigida: Sindjus apóia novo concurso para o STF

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL O concurso será feito pelo Cespe e a oferta será de 20 vagas de analista

Vencimentos serão de R$7.183, contando com R$632 de
auxilio-alimentação

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai realizar concurso com oferecimento de 20 vagas de analista judiciário (nível superior) para contratação imediata, alem de formação de cadastro de reserva. Os vencimentos serão de R$7.183,52 (já com auxilio-alimentação de R$632). A dispensa de licitação para contratação do Cespe/UnB como organizador saiu no dia 18 de março, porém, a Assessoria de Comunicação do STF informou que a data do lançamento do edital ainda será definida.

Os classificados serão contratados pelo regime estatutário (estabilidade) e receberão Plano de saúde, vale-transporte, auxílio creche (até 5 anos) e berçário (até 1 ano). A jornada de trabalho e de 35 horas semanais. Segundo a Assessoria, neste concurso serão oferecidas vagas de analista que não foram contempladas no último para o mesmo cargo realizado no ano passado. No entanto, as especialidades ainda não
Foram divulgadas. Para participar, será preciso ter nível superior na área de formação exigida.

Entre as atribuições do cargo estão a de realizar atividades de natureza técnica, relacionadas ao planejamento, organização, coordenação, supervisão, assessoramento, estudo, pesquisa e execução de tarefas que envolvam a especialidade pretendida.
O último concurso, em 2008, também foi organizado pelo Cespe/UnB, que teve taxa de inscrição de R$60 para analista. As provas objetivas contaram com 150 questões distribuídas pelas disciplinas de Conhecimentos Específicos, Complementares e Básicos e os candidatos tiveram cinco horas para finalizar o exame. Houve também avaliação discursiva.

Foram oferecidas 111 vagas de analista judiciário e 77 de técnico judiciário. Até o momento, já foram convocados e nomeados 144 analistas e 72 técnicos. A validade deste concurso a de dois anos, prorrogável.


Coordenador-geral do Sindjus, Roberto Policarpo falou sobre falta de pessoal

-Sindicato da categoria comemora concurso – Com quase duas décadas de existência, o Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União no DF (Sindjus), que já conquistou três Planos de Cargos e Salários para a categoria (1996, 2002 a 2006), agora comemora a notícia do concurso para analista judiciário. Principalmente, porque Segundo o coordenador-geral do Sindjus, Roberto Policarpo, este e o cargo com maior carência no quadro de pessoal. O cargo com maior carência no STF e o de analista judiciário, na área judiciária, a chamada área-fim. No entanto, o problema não a de fácil solução, pois o tribunal não dispõe de cargos suficientes Para atender a demanda do Tribunal. A solução seria a criação de novos cargos, já que essas 20 vagas
não contemplariam a necessidade real”, frisou.

O coordenador-geral informou ainda que o Sindjus continuará sua luta em defesa da criação de novos cargos no STF, para que não haja sobrecarga de trabalho para os servidores atuais e para atender plenamente a demanda da sociedade. “A bandeira do fortalecimento do quadro de pessoal do Judiciário por meio de concurso publico a uma bandeira histórica do Sindjus”.

O sindicato informou que atualmente, o STF possui 36 servidores de varias áreas que já podem requerer a aposentadoria e que trabalhara para que, durante o prazo de validade do concurso, mais candidatos sejam chamados, pois os servidores atuais estão com sobrecarga de trabalho.

– Incentivos no STF – Roberto Policarpo informou que no último Plano de Cargos e Salários, o Sindjus conseguiu aprovar o Adicional de Qualificação, no qual o servidor que tem diploma de graduado, pós-graduado, mestrado ou doutorado tem direito a uma gratificação. Alem disso, os servidores que participam de ações de treinamento ou de capacitação oferecidas pelo órgão também tem direito a esse adicional. “0 Adicional de Qualificação foi uma ação que rendeu resulta¬dos positivos nesse tempo de implantação que no novo plano já avançamos muito no sentido de aprimorar esse instituto, que aprimora e incentiva a formação de um quadro de excelência nos tribunais, como é o caso do STF”, explicou.

Em relação às promoções do Plano de Cargos, o coordenador geral declarou que o Programa de Gestão de Desempenho do STF (Proged) planeja, acompanha, avalia e orienta o desempenho dos servidores estáveis e em estágio probatório.

Após aprovado em estágio probatório, o servidor estável no servido público é avaliado anualmente, por meio de avaliação funcional, a ser realizada no 12º mês de efetivo exercício, contado a partir da ultima progressão funcional ou promoção na carreira. “A cada promoção o salário cresce na ordem de 3%. Atualmente o salário em final de carreira do analista judiciário é de R$7.589,41, acrescido das gratificações e já com auxilio-alimentação de R$632”, explicou.

Segundo Roberto Policarpo, os futuros servidores do STF podem ficar despreocupados, pois o Sindjus luta para aprimorar ainda mais as condições de trabalho e a carreira no órgão. “Gostaria de desejar boa sorte a todos os interessados em prestar o concurso do STF. Com a aprovação do novo Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR), que deve ser enviada ao Congresso Nacional o mais breve possível, o ingresso no STF ficará mais atrativo. Só para dar um exemplo disso, temos lutado pela equiparação salarial dos servidores do Poder Judiciário com o de outras carreiras de atribuições semelhantes, como da Receita Federal”, adiantou.

Fonte: Folha Dirigida

🔥15 Total de Visualizações