Ministro não apresenta proposta, não define calendário e exige fim da greve

Aumentar as mobilizações e intensificar a greve em todo o país é o maior desafio da categoria neste momento. Essa é a conclusão tirada pelos coordenadores da Fenajufe após audiência na tarde desta quinta-feira [19] com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes; e o diretor geral, Alcides Diniz.

No encontro, os coordenadores Roberto Policarpo, Ramiro López, Cláudio Klein, Roniel Andrade e Antônio dos Anjos Melquíades; e o diretor do Sindjufe-BA Gilvan Nery, cobraram do STF uma resposta sobre a proposta de revisão salarial dos servidores e também reivindicaram que o projeto seja enviado logo ao Congresso Nacional, sem redução na tabela. Os coordenadores explicaram a indignação da categoria, em greve em todo o país, com a demora na definição das negociações referentes ao plano.

A audiência, no entanto, não representou qualquer avanço em relação às reivindicações dos servidores, segundo avaliação dos coordenadores da Fenajufe. O ministro Gilmar Mendes, não disse qual é a proposta, não definiu um calendário e ainda exigiu o fim da greve.

Os dirigentes sindicais questionaram a afirmação do ministro, respondendo que a greve é um direito de todos os trabalhadores e um instrumento legítimo quando não há avanço nas negociações. “Nós só vamos discutir com a categoria a suspensão da greve depois que tivermos uma resposta concreta do Supremo e a garantia de que o projeto vai para o Congresso. Do contrário, vamos manter a greve em todo o país”, respondeu Roberto Policarpo, questionando os termos apresentados pelo ministro.

Os representantes da Federação também explicaram que os servidores estão em greve para reivindicar, além do envio imediato do projeto ao Congresso, o compromisso de que não vai haver qualquer diminuição dos valores da tabela proposta. “Não concordamos que haja rebaixamento na tabela. Se isso acontecer não conseguiremos a equiparação com as carreiras similares do Executivo e do Legislativo”, respondeu Policarpo.

Segundo o presidente do STF, apenas dois pontos da proposta precisam ser fechados, que incluem o valor do orçamento e o corte nas Funções Comissionadas para baixar o impacto financeiro. Mesmo afirmando que tem acordo com o reajuste salarial dos servidores, o ministro reforçou sua posição de que não apresenta nada enquanto a greve for mantida.

Nova reunião nesta sexta-feira

Após a reunião com o ministro Gilmar Mendes, os coordenadores da Fenajufe conversaram com o diretor geral do STF, Alcides Diniz, no corredor do gabinete da Presidência. O objetivo foi tentar resolver o impasse da audiência e pressionar o STF a dar uma resposta à categoria o mais breve possível.

Alcides Diniz informou que está prevista uma reunião para esta sexta-feira [20] com o STF, CNJ, Anamatra e Ajufe para discutir a proposta de reajuste dos servidores. O diretor geral se comprometeu a dar um retorno para Fenajufe, que também participará da reunião.

“A postura do ministro na audiência foi muito ruim e isso mostra a relação que ele tem com os trabalhadores. Esperamos que nesta reunião de amanhã haja algum avanço e que tenhamos algo para apresentar à categoria. De qualquer forma a nossa orientação é que a greve se intensifique nos próximos dias. Não podemos aceitar as ameaças do ministro Gilmar Mendes”, avalia Cláudio Klein.

O coordenador geral Ramiro López também reforça a orientação para que os sindicatos trabalhem para garantir o fortalecimento do movimento grevista nos próximos dias. De acordo com ele, não há qualquer possibilidade da Fenajufe e os sindicatos indicarem a suspensão da greve sem uma resposta concreta por parte do STF. “A reunião de hoje com o ministro Gilmar Mendes só serviu para nos empurrar ainda mais para a greve. Mais do que nunca precisamos intensificar as mobilizações e permanecer na luta até a vitória”, ressaltou Ramiro.

Os coordenadores da Fenajufe continuarão em contato com a diretoria geral do Supremo para confirmar a reunião de amanhã.

Fonte: Fenajufe

🔥13 Total de Visualizações