Artigo Correio Braziliense: Por que a Confecom?

Romário Schettino

Presidente do Sindicado dos Jornalistas Profissionais do DF (SJPDF)

Há muitas décadas o Brasil não discute sua política de comunicação social com objetivos tão claros quanto os exigidos pelas diversas revoluções tecnológicas do setor e pelos movimentos sociais que impõem medidas urgentes. Daí o grande atraso em relação ao mundo e aos nossos vizinhos latino-americanos. Com motivações diferentes, países da América Latina como Peru, Bolívia, Equador, Colômbia, Uruguai, Nicarágua, Argentina e Venezuela deram passos tão ousados quanto necessários.

A controvertida política bolivariana do presidente Hugo Chávez levantou a lebre da radiodifusão comunitária como possibilidade de comunicação popular capaz até de impedir golpes de Estado. É verdade que as várias mudanças nas leis e na Constituição têm levado setores mais conservadores a acharem que, ao contrário do que prega Chávez, estão em curso inaceitáveis restrições à liberdade de expressão e de imprensa. Um temor injustificável, já que a comunicação privada continua funcionando plenamente naquele país.

As mudanças, na verdade, ocorreram com a adoção de critérios impeditivos da concentração da propriedade, com equilíbrio nas concessões públicas da radiodifusão. Um exemplo dessa tendência em nosso continente está na nova lei sancionada pela presidente Cristina Kirchner, da Argentina. Lá, está previsto que a distribuição de concessões públicas será tripartite: 1/3 para o setor privado comercial, 1/3 para entidades sem fins lucrativos e 1/3 para o Estado. Com tais medidas, abrem-se possibilidades para a democratização do acesso aos meios de comunicação.

O Brasil também avança nesse sentido, com duas medidas governamentais de fôlego: a criação da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e a convocação da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom). As duas iniciativas podem contribuir para a formatação de um novo modelo de comunicação para o país, com forte destaque para a gestão democrática e a sustentação da comunicação pública e estatal.

A motivação brasileira para a mudança está também na convergência tecnológica em curso — que se traduz na digitalização da radiodifusão e nas múltiplas funções da telefonia. Esses dois ramos da comunicação, em termos de legislação, estão paralisados na década de 1960 e clamam por um novo marco regulatório. Além disso, a sociedade brasileira, por meio de suas entidades representativas, exige maior participação na distribuição de conteúdos e defende o caráter nacional da comunicação e da cultura. São essas as necessidades que se impõem para a I Confecom.

Portanto, é absolutamente necessário colocar no mesmo debate as empresas de comunicação, as telefônicas e a sociedade, partes interessadas na regulação dos interesses em disputa.

Qualquer mudança no modelo de comunicação há de levar em conta a característica multicultural e étnica da sociedade brasileira, com respeito às minorias, liberdade e pluralidade na difusão das opiniões. Enfim, o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange o seu direito de informar, de ser informado e de ter acesso à informação.

Por sua vez, a propalada popularização da telefonia celular é um dado que precisa ser mais bem estudado. Temos uma das tarifas mais caras do mundo e sua utilização está concentrada nas grandes cidades, a despeito do que foi alardeado por ocasião da privatização das teles. Como os mais pobres não têm acesso à telefonia fixa, são obrigados a pagar mais caro pela “opção” do celular.

De ontem até 17 de dezembro, a Confecom, com a participação de cerca de 2 mil pessoas — entre delegados, convidados e observadores — constitui momento histórico capaz de representar avanço de grandes proporções. Tudo vai depender dos desdobramentos dados às deliberações dos delegados. Como a conferência não tem caráter impositivo, as propostas poderão ser fruto de debates e decisões no Congresso Nacional e no Poder Executivo.

Para os candidatos ao Senado, à Câmara e à Presidência da República em 2010 será servido cardápio bastante variado de sugestões, com as quais terão de se comprometer. Se parte do que for discutido na I Confecom chegar às comissões permanentes do Congresso, às instâncias técnicas do Ministério das Comunicações e ao Palácio do Planalto já terá valido a pena o esforço das milhares de pessoas envolvidas na sua convocação.

Fonte: Correio Braziliense
15/12/2009

🔥16 Total de Visualizações