ATO NO MPOG: Servidores respondem à pressão com greve

Mais de cinco mil servidores do Judiciário e do Ministério Público da União participaram na tarde desta terça-feira (1º/6) de um ato público em frente ao prédio do Ministério do Planejamento. Acompanhados da famosa “bandinha do PCS”, os manifestantes gritavam “servidores na rua, Bernardo a culpa é sua” como uma forma de exigir do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, uma negociação efetiva que resulte na aprovação, pelo Congresso Nacional, dos projetos de lei 6613/09 e 6697/09.

“Estamos hoje aqui para exigir que o ministro atenda aos servidores do Judiciário e do Ministério Público. Assim como o governo deu aumento para diversas categorias em 2008 e 2009 e, agora, para o legislativo, não há razões para discriminar os servidores da Justiça. Exigimos respeito”, discursou o coordenador-geral do Sindjus/DF, Roberto Policarpo.

Para Policarpo, os servidores do judiciário não podem ser tratados como se fossem de segunda categoria. “Precisamos que as negociações comecem imediatamente entre o Ministério do Planejamento e o STF e o Ministério Público da União”, enfatizou Policarpo. Na semana passado o ministro Paulo Bernardo admitiu, pela primeira vez, que estava disposto a negociar com os servidores, “mas essa negociação tem de começar imediatamente e deve ser efetiva”, destacou Policarpo.

O coordenador-geral do Sindjus reafirmou a necessidade de a categoria reforçar a greve. “Sabemos que a partir de agora a pressão vai aumentar, mas não podemos desanimar. Em 2002 e 2006 também não foi fácil, mas saímos vitoriosos”, destacou. Policarpo destacou que ao contrário do que afirmou o ministro Ricardo Lewandowski, presidente do TSE que criticou o movimento grevista, a greve é, sim, um ato de cidadania.

Agenda – Até o momento Policarpo encontra-se no STF para onde foi chamado pela administração. Tem-se notícia de que foi realizada uma reunião entre todos os diretores-gerais dos tribunais superiores e do TJDF.

Nesta quarta-feira (2/6), ela manhã, os servidores do MPU devem participar de uma “blitz” que o Sindjus fará em reunião da Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados, marcada para às 9h30 no Plenário 4, anexo II, da Câmara. Na ocasião, será entregue aos participantes da comissão uma carta pedindo o apoio dos deputados para a aprovação do PL 6697/09, que está parado na comissão deste abril de 2010. Às 15h, os servidores do Judiciário e do MPU vão fazer ato público em frente ao STF.

Na sexta-feira, dia 4, serão realizados piquetes nos locais de trabalho e na segunda-feira, 7/6, está marcado um grande ato público em frente ao Tribunal Regional Eleitoral.

Este é o momento para se fortalecer a greve. Só sob pressão o governo vai negociar efetivamente com os servidores.

🔥7 Total de Visualizações