PCS: servidores reforçam a ideia de greve

As discussões não param. Ontem (dia 16) os diretores do Sindjus, após o lançamento da Campanha Salarial Unificada, visitaram órgãos do Judiciário e do MPU no Guará, Taguatinga e Gama. Aproveitando o clima de mobilização com a marcha na Esplanada, os diretores foram conversar com os servidores sobre o PCS.

No Conselho Nacional do Ministério Público, os servidores se mostraram encorajados e receptivos, após visitar cada sala do prédio, ouvindo os questionamentos dos servidores os diretores Ana Paula Cusinato e Jailton Mangueira concluíram que a categoria pede uma atuação mais pertinente por parte do procurador-geral, Roberto Gurgel. “Inicialmente o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que a decisão tomada para o Judiciário, em relação ao PCS, seria a mesma para o MPU, mas as discussões sobre o PCS do Judiciário estão emperradas e o Peluso não se manifestou. Então, por isso os servidores acreditam que ele (Roberto Gurgel) deva tomar uma postura sobre o PCS e intervir nas discussões”, explica a diretora Ana Paula Cusinato.

Nos Juizados Especiais do Guará os servidores se apresentaram dispostos a fazer greve e a se mobilizar para lutar para que o PCS não seja afetado após o anúncio do corte no orçamento federal. “A questão da unidade, todos os servidores juntos, lutando pela aprovação do PCS. Está é a bandeira levantada pelos servidores do Guará”, afirma a diretora do Sindjus Sheila Tinoco.
Para o técnico administrativo do Juizado Especial do Guará, Lécio Garcia Ortiz, não há outra saída senão a união dos servidores para aprovação do reajuste salarial. “Vamos fazer greve, mobilização e outros atos porque o governo não nos oferece outra saída senão lutarmos pelo nosso PCS”, reforça Lécio.

Hoje, dia 17, os diretores continuam com as visitas e seguem para o TSE, na 514 Norte, TRT 10ª, PGT.

🔥18 Total de Visualizações