Sindjus repudia tratamento ofensivo e desrespeitoso à servidora do TJDFT

O Sindjus manifesta total repúdio à matéria publicada, no dia 16 de agosto de 2012, no Jornal OSCIP Brasil, da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Brasil, que taxa a servidora do TJDFT Fernanda Almeida Campos, funcionária do presidente, desembargador João de Assis Mariosi, de “uma à-toa”. Aliás, essa taxação, de forma ofensiva, aparece já no título da matéria : “A funcionária do presidente do TJDFT, a Fernanda Almeida Campos, é uma à-toa”.

A matéria constrange à servidora, sob a afirmação de que ela teria se negado a atender, em razão da greve, cidadãos, na verdade as partes de um determinado processo que tramita na 18º Vara Civil, da qual ela é diretora. No entanto, nada justifica o tratamento dispensado à servidora na publicação supracitada.

A equipe jurídica do Sindjus está tomando as devidas providências em relação a esse caso, no entanto, o sindicato vem a público condenar a linguagem utilizada na reportagem. Expressões do tipo “Ela não aderiu à greve, aderiu à vagabundagem” e/ou “Ela acabou com a vadiagem para preservar os vadios” ofendem violentamente não somente a servidora em questão, mas todos os servidores do Poder Judiciário.

O Sindjus compreende que a greve no serviço público gera transtornos, no entanto, é uma manifestação legítima e constitucional. Portanto, exige, acima de tudo, respeito para com aqueles que lutam por seus direitos.

🔥13 Total de Visualizações