g1.globo.com: PM usa spray de pimenta contra servidores em greve em Brasília

Protesto em frente ao Palácio do Planalto terminou com uma pessoa detida.
Manifestantes rejeitaram proposta de 15,8% de reajuste feita pelo governo.

Manifestante detido por policial militar durante protesto de
servidores federais em frente ao Palácio do Planalto nesta
quinta (23) (Foto: TV Globo/Reprodução)

Um protesto de servidores federais do poder Judiciário em frente ao Palácio do Planalto terminou em confusão entre manifestantes e a Polícia Militar na tarde desta quinta-feira (23). Uma pessoa foi detida. Os policiais chegaram a usar spray de pimenta contra um grupo de manifestantes.

A confusão começou depois que um grupo começou a discutir com policiais e a bater com pedaços de madeiras nas barreiras metálicas que impediam o acesso dos manifestantes aos prédios públicos na Praça dos Três Poderes. Policiais chegaram a usar spray de pimenta contra os manifestantes.

saiba mais

Servidores em greve acendem velas em frente ao Palácio do Planalto
Servidores da Justiça em greve fazem protesto em frente ao TJDF

O protesto interditou por cerca de uma hora o acesso ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo Eixo Monumental. A Polícia Militar bloqueou todas as faixas do Eixo entre o Palácio do Itamaraty e o STF para evitar que os motoristas ficassem ilhados na pista que fica entre o Congresso Nacional e a Praça dos Três Poderes, que foi ocupada pelos manifestantes.

O coronel Antônio Carlos, da PM, informou que uma pessoa foi detida por tentar derrubar uma das grades que impede o acesso ao Palácio do Planalto. Ele foi liberado após solicitação dos manifestantes. Ainda conforme o coronel, 400 homens da PM foram deslocados para acompanhar a manifestação.


Policial joga spray de pimenta sobre manifestantes em protesto dos servidores do Judiciário na tarde desta quinta (23) em frente ao Palácio do Planalto (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr)

O Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União (Sindjus) reivindica reajuste salarial. Os manifestantes criticam a proposta apresentada pelo Ministério do Planejamento, de 15,8% divididos em três anos porque, segundo a entidade, não repõe sequer a inflação do período. A categoria, ainda de acordo com o sindicato, não tem reajuste há seis anos.

🔥43 Total de Visualizações