Imposto sindical: Sindjus quer impedir descontos nos contracheques dos servidores do MPU

buscopan ciclo

buscopan compresse click

Após rumores sobre eventual desconto do Imposto Sindical nos contracheques dos servidores do Ministério Público da União, o Sindjus, nesta segunda-feira (13), ingressou com detalhado requerimento administrativo demonstrando que a cobrança de Imposto Sindical dos servidores do MPU no DF é ilegal e imoral. Com isso, o sindicato ratifica a sua posição histórica contrária à cobrança de tal imposto.

A demanda se justifica porque, ao contrário dos trabalhadores regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas – CLT, os servidores públicos não se sujeitam a esse recolhimento. “Não há como compatilizar a sistemática da CLT com o regime jurídico a que estão submetidos os substituídos, que são servidores do Ministério Público da União, regidos pela Lei 8.112, de 1990, e a Lei 11.415, de 2006, sem previsão de contribuição ou imposto regulamentados”, sustenta o pedido.

O Sindjus entende que o caminho legal e moral para a ampliação da sua arrecadação é a continuidade da luta em prol da categoria. Foi assim quando da conquista do reenquadramento; do fim da incidência do Imposto de Renda sobre auxílio pré-escolar; da GAMPU de 90%; do pagamento administrativo dos quintos e ainda da garantia de que todos irão oportunamente receber pela via judicial. Em todos esses momentos, a categoria sob reconhecer o trabalho do seu sindicato.

Não foi diferente quando do envio do reajuste salarial (PL 7919) ao Congresso Nacional, da sua aprovação na CTASP e na CFT. A toada do Sindjus foi a mesma quando da recente indicação do deputado Arnaldo Faria de Sá para ser o relator do reajuste na CCJC. Tudo isso, e muito mais, demonstra a força da articulação do sindicato que está muito perto de conquistar os 13,23% para toda a categoria. Assim, havendo o reconhecimento do trabalho, novas adesões continuarão surgindo para fortalecer ainda mais o sindicato.

O Sindjus, como o sindicato legítimo da categoria, com 25 anos de luta em defesa dos direitos dos servidores do Judiciário e MPU no DF, abrindo mão dessa famigerada contribuição compulsória, entende que o servidor não pode ser penalizado pagando por algo que não tem respaldo constitucional e que, ainda por cima, é imoral. Por isso o Sindjus, doa a quem doer, vai continuar defendo não só os servidores do Judiciário, mas também os servidores do MPU no DF.

Clique AQUI para acessar requerimento.

🔥37 Total de Visualizações