Enquanto PM reprime ato, STF vota proposta sem ouvir servidores

Na tarde desta quarta-feira (12/8), em Ato Nacional, na Praça dos Três Poderes, os servidores do Poder Judiciário protestaram contra o acordo arbitrário fechado entre o STF e o governo (41,47% – absorvidos os 13,23% – em quatro anos). A categoria, com faixas, cartazes, apitos e cornetas, afirmou que não aceita o rebaixamento do PLC 28/15 e o resultado de uma negociação que não teve participação dos servidores. O protesto da tarde de hoje era simplesmente mais uma manifestação da categoria exigindo respeito e a implantação do PLC 28 na íntegra, conforme aprovado no Senado. Os servidores negaram o acordo que prejudica a luta pela derrubada do Veto 26, que é a verdadeira luta da categoria.

A negociação feita pelo STF com o governo ainda beneficia os cargos em comissão, que terão reajustes de 16% (CJ1) e 25% (CJ de 2 a 4), em parcela única em janeiro de 2016. O Sindjus sempre frisou que era contra esse tipo de reajuste, pois o Orçamento do Judiciário precisa priorizar os servidores efetivos que estão há nove anos sem reajuste. A categoria, indignada com esses e outros passos do STF, como o envio de projeto que reajusta o subsídio de magistrados, externou sua insatisfação ao longo de um ato que tinha tudo para seguir de forma civilizada. Porém, a forte repressão policial transformou a Praça dos Tribunais numa praça de guerra.

Com escudos, cassetetes e spray de pimenta, os policiais avançaram para cima dos servidores, deixando vários colegas feridos, inclusive precisando de atendimento médico. A repressão também levou à prisão de um coordenador do Sindjus e de outros dois servidores. O sindicato repudia essas atitudes de uma polícia despreparada para lidar com as manifestações e com servidores que em momento algum representaram perigo às autoridades, pois tinham o único intuito de registrar a posição contrária ao que tem sido feito na surdina por STF e governo para dar continuidade ao sucateamento do Poder Judiciário. O Jurídico do Sindjus está tomando todas as medidas necessárias quanto às agressões praticadas nesta quarta-feira contra a categoria.

Nesta quinta-feira (13/8), às 15h, na Praça dos Tribunais, vamos participar de Assembleia-Geral para discutir o cenário pós-apresentação desta proposta vergonhosa. O Sindjus oferecerá transporte. Para mais informações, ligue 3212-2613.

🔥8 Total de Visualizações