PGR entra com ação contra plano de aposentadoria de deputados

Enquanto os deputados querem votar uma Reforma da Previdência que pune os trabalhadores, a Procuradoria Geral da República (PGR) ingressou com uma ação que contesta o Plano de Seguridade dos Congressistas (PSSC), instituído pela Lei 9.506/1997.

Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a lei criou um sistema previdenciário próprio, com regras brandas e flexíveis, para deputados e ex-deputados. Pelo plano, um deputado pode se aposentar a partir de apenas um ano de exercício do cargo, desde que faça averbações de outros mandatos ou contribuições ao INSS.

Por meio de uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), a PGR alega que o plano dos parlamentares contraria “princípios republicano, da isonomia, da moralidade e da impessoalidade”. Além disso, questiona a vinculação ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS) por todos os ocupantes de cargos temporários ou em comissão, bem como a obrigatoriedade de adesão ao RGPS e regras gerais da aposentadoria dos congressistas.

Janot cita a disparidade das regras e do valor recebido entre um congressista e um trabalhador comum. “A concessão de benefícios previdenciários com critérios especiais distingue indevidamente determinados agentes políticos dos demais cidadãos e cria espécie de casta, sem que haja motivação racional – muito menos ética – para isso”.

Atualmente, os parlamentares que vão votar a reforma da Previdência têm direito a aposentadoria integral, atualização com paridade, reaposentação, acúmulo com outras pensões e aproveitamento de tempo de serviço em outras atividades – as averbações.

🔥25 Total de Visualizações