Sindjus-DF recebe propostas de pais de autistas e encaminha luta em favor da inclusão

No dia 15 de junho, durante Reunião da Diretoria Colegiada do Sindjus-DF, as servidoras Sheila Tinoco e Wanessa Ferreira, representando os servidores e pais de TEA (Transtorno do Espectro Autista) e TGD (Transtorno Global de Desenvolvimento), explanaram sobre a realidade enfrentada pelos servidores do TJDFT, entregando documento com considerações e propostas sobre o tema ao Sindicato.

Sheila afirmou que essa pauta, embora específica, já se tornou geral, uma vez que os servidores enfrentam grandes problemas na área de saúde, principalmente em relação ao plano de saúde. Frisou que as perícias precisam ser humanizadas e que o reembolso está numa curva decrescente. Relatou que há inúmeros casos de assédio nessa área e que os tribunais estão indo contra a lei. Afirmou que cabe ao Sindjus-DF fazer esse enfrentamento, inclusive, criando um canal de denúncia para os servidores.

Wanessa explicou a realidade dos pais servidores cujas vidas mudam completamente após receberem o diagnóstico de autismo, destacando que a rotina diária fica comprometida com idas a médicos, terapeutas, escolas e outras atividades específicas e necessárias. Informou que muitos órgãos desconhecem a Lei 12.764/12 (Lei do Autismo) e salientou a necessidade de uma ampla campanha de conscientização. Defendeu transparência e mudanças na estrutura das perícias. Afirmou que o Pró-Saúde não cobre laudos de médicos especializados. Defendeu, entre outras propostas, convênios com clínicas especializadas e que o Sindjus-DF tenha assento no Conselho Deliberativo do Pró-Saúde.

A fala das servidoras, que são mães de autistas, ilustram o teor do documento entregue para o Sindjus-DF (Confira AQUI) e expõe os graves problemas enfrentados principalmente pelos servidores do TJDFT, cujo plano de saúde é deficitário no atendimento às necessidades da área e as perícias, no mínimo, constrangedoras.

Após os depoimentos, muitos coordenadores elogiaram a coragem das colegas e falaram em apoio à causa. O coordenador Cledo Vieira, que também é pai de filhos autistas, expôs a desigualdade existente entre os tribunais nesse assunto, uma vez que ele conseguiu a jornada especial no TRT de forma administrativa e num prazo de 15 dias. Já Wanessa precisou de vários laudos e uma ação judicial para depois de meses conseguir a mesma jornada no TJDFT.

O Sindicato, no último mês de abril, durante uma campanha de conscientização sobre o autismo, oficiou todos os órgãos do PJU e MPU requerendo, entre outros pontos, a padronização da jornada especial (Confira AQUI essa campanha). E agora vai encaminhar novos ofícios e solicitar audiências cobrando respeito à lei, que garante aos autistas o mesmo tratamento da pessoa com Deficiência.

O Sindjus-DF já oficiou, nesta segunda-feira (18/06), o presidente do TJDFT, Romão Cícero, e o secretário de Saúde do tribunal, Glycon Cardoso, para tratar das questões apresentadas.

Ainda durante a reunião de Diretoria de sexta-feira, foram aprovados os seguintes pontos:

Mudança do nome do núcleo para Núcleo de Inclusão de Pais e Servidores;
Realização de palestras nos tribunais e no MPU sobre o tema;
Realização de eventos culturais e de lazer específicos;
Criação do Núcleo de Saúde;
Aprovação dos nomes dos coordenadores Abdias Trajano e Cledo Vieira para conduzirem esse núcleo, juntamente com as servidoras Sheila Tinoco e Wanessa Ferreira;
Realização de pesquisa nacional de saúde, em parceria com a Fenajufe.

Os demais pontos da pauta estão sendo analisados pela Diretoria, que também levará à questão para a Fenajufe.

Nesta segunda-feira (18/06) é celebrado o Dia do Orgulho Autista. O dia de hoje celebra a neurodiversidade e as características únicas que as pessoas autistas apresentam. E o Sindjus-DF tem orgulho em ter um núcleo de inclusão de pais e servidores e de poder lutar por justiça e pelos direitos de todos.

🔥55 Total de Visualizações