Mês da Conscientização da Doença Celíaca: 1º Simpósio do DF sobre o tema acontece hoje (23/05)

A servidora do Fórum de Taguatinga – TJDFT Adriana Cruz Vaz, celíaca e mãe de celíaca, hoje faz parte da Acelbra-DF (Associação dos Celíacos do Brasil-Seção DF) e atua como colaboradora da Associação. A ACELBRA/DF é uma associação civil, de caráter beneficente, sem fins lucrativos e tem como objetivo promover e articular ações de Assistência Social, acolhimento, orientação e defesa dos direitos e interesses das pessoas com Doença Celíaca. A Doença Celíaca é uma doença crônica, autoimune, que é desencadeada pela ingestão do glúten (do trigo, do centeio e da cevada – entre outros) em pessoas geneticamente predispostas. Infelizmente, há desconhecimento da sociedade como um todo: dos profissionais de saúde ao cidadão comum, gerando grande prejuízo físico e mental aos diagnosticados e familiares.

 

Maio é o Mês da Conscientização da Doença Celíaca. Várias atividades estão acontecendo em todo o país para chamar a atenção da população para essa doença de tantas pluralidades. No Distrito Federal, vários estabelecimentos sem glúten e outros segmentos estão promovendo ações de conscientização. No dia 16 de maio aconteceu no Anexo do Ministério da Saúde, a reunião do Conselho Nacional de Saúde, onde um dos temas abordados foi a doença celíaca.

 

Falar sobre o tema no Conselho é uma grande conquista da Federação Nacional dos Celíacos – Fenacelbra, que luta pela implementação de políticas públicas e representa todos os celíacos e associações nacionais. O objetivo da reunião é que as propostas sejam ouvidas, encaminhadas e implementadas.

 

“A nossa luta é pela efetivação de políticas públicas e esclarecimento da sociedade. Pelos estudos, estima-se que de 1% da população tenha doença celíaca, mas muitas pessoas têm a patologia e não sabem, por total desconhecimento da existência da doença (sintomas e tratamento). Isso gera custo para o Estado, agravamento do paciente e adoecimento da família. As consequências são imensuráveis, pois além de adquirir outras doenças autoimunes, pode até produzir linfomas. Minha filha levou 4 anos para ser diagnosticada por desconhecimentos dos profissionais de saúde, uma amiga levou 5ª nos passando mal, se contaminando e sendo atacada pelo sistema imunológico. Cada celíaco passa por uma via crúcis até ser diagnosticado, devido ao despreparo dos profissionais da área de saúde. O tratamento da minha filha só foi iniciado quando descobrimos o ambulatório de doença celíaca no HuB, dirigido pela Dra. Lenora Gandolfi, referência nos estudos da Doença Celíaca. Foi lá que direcionaram todo o tratamento dela e descobriram também o meu diagnóstico (pois é genético)”, desabafa Adriana.

O consultório de doença celíaca funciona todas as terças-feiras, de 8h às 12h, no ambulatório do HuB, corredor verde. Com a Dra. Lenora atua também o Dr. Wandregíselo, grande parceiro da Acelbra-DF. Vale ressaltar que a especialidade do médico que trata a doença celíaca é o Gastroenterologista. Importante ressaltar que inclusive os autistas que não fazem o uso do glúten apresentam melhora acentuada nos sintomas comportamentais. A ACELBRA-DF, em parceria com a Universidade Católica de Brasília-UCB e apoio da Universidade de Brasília-UnB, realizará o 1º Simpósio de Doença Celíaca do Distrito Federal que acontecerá no dia 23/05, na UCB – campus Taguatinga.  Este evento tem como finalidade atingir a classe acadêmica e a sociedade em geral.

 

🔥480 Total de Visualizações