Pandemia não afeta produtividade do Poder Judiciário e MPU

Tribunais e MPU continuam funcionando na pandemia e entregam à população serviços essenciais e de qualidade, graças ao comprometimento e árduo trabalho desenvolvido pelos seus servidores.

Desde que implementou o trabalho remoto no dia 16 de março, isto é, há quatro meses, em virtude da pandemia da Covid-19, o Superior Tribunal de Justiça proferiu mais de 233 mil decisões.
Segundo os dados de produtividade divulgados pelo tribunal nesta segunda-feira (20/7), o STJ realizou 86 sessões virtuais para o julgamento de recursos internos (agravos regimentais, agravos internos e embargos de declaração).

E esses números significativos não são restritos ao STJ. Em maio, relatório divulgado pela Seção de Acompanhamento Estatístico do Tribunal Superior do Trabalho confirmou que o órgão manteve sua produtividade durante a pandemia da Covid-19. O STF encerrou o semestre com o menor acervo dos últimos 24 anos, com um volume 6,4% menor que o acervo de 31/12/2019. Nos julgamentos colegiados, foram julgados 2.269 processos no primeiro semestre; e nas Turmas, 6.312 processos. O TJDFT realizou 2.133 audiências de conciliação por meio de videoconferência, de 6 abril a 5 de junho.

No âmbito do MPU não é diferente. Desde que o regime de teletrabalho foi adotado, o Ministério Público Federal vem registrando alta produtividade. O MPDFT divulgou que, mesmo com adesão quase integral ao teletrabalho, verificou-se aumento da produtividade em relação ao mesmo período do ano passado.
O fato é que servidores, magistrados e membros do MPU estão se ajustando à nova realidade e fazendo a sua parte para que o Poder Judiciário e o Ministério Público continuem operando da melhor maneira.

“O Sindjus-DF, que atua em prol do teletrabalho como prioridade durante a pandemia, parabeniza todos os servidores do Judiciário e do MPU, que têm contribuído para manter os órgãos em funcionamento e demonstrando o nosso compromisso com a sociedade brasileira. Esses resultados enfatizam o quanto o funcionalismo público merece ser respeitado e valorizado, e toda e qualquer tentativa de retirada de direitos deve ser duramente combatida. Mesmo em um cenário completamente desfavorável – como o da pandemia – esses valorosos servidores mantêm viva a esperança daqueles que precisam tanto do serviço público e aguardam Justiça”, afirmou Costa Neto, coordenador-geral do Sindjus-DF.

🔥247 Total de Visualizações