2º Ato Nacional do Movimento BASTA! alerta sobre as falácias para aprovação da Reforma Administrativa e da PEC Emergencial

Um discurso pautado em falácias, falta de dados e fragilidade técnica, com o objetivo de desmontar o serviço público. Essa foi a conclusão que os participantes do 2° Ato Público Nacional do Movimento ‘BASTA!’ chegaram, no final da tarde desta quarta-feira (17/3), sobre o trabalho que tem sido feito pelo governo para aprovação da PEC 32/2020, que trata da Reforma Administrativa, e da PEC 186/2019 (PEC Emergencial).

O coordenador-geral do Sindjus-DF, Costa Neto, participou dos debates e enalteceu o trabalho que tem sido realizado pelas entidades para barrar a Reforma Administrativa. Para Costa Neto, esse é um momento crucial na história e é preciso união e luta para derrubada da PEC 32.

“Cada um de nós tem um papel a desempenhar e precisamos seguir juntos, unidos e colocar o máximo de investimento nessa luta. Basta de corrupção, basta de nepotismo, basta de apadrinhamento, de indicações políticas. Precisamos dizer que queremos vacina, um auxílio emergencial descente, servidores valorizados e um Estado que esteja à serviço da população brasileira”, pontuou Costa Neto.

O deputado Professor Israel Bastista (PV-DF), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Serviço Público, falou sobre os desafios para barrar a Reforma Administrativa no Congresso Nacional. De acordo com ele, é preciso total engajamento dos servidores para atuar no convencimento dos deputados e senadores.

” Nós temos um governo que conseguiu consolidar uma maioria no Congresso Nacional, temos ainda um texto muito ruim sobre o qual nós nos debruçamos para apresentar emendas com ajuda das entidades. Teremos que fazer uma disputa ponto a ponto para evitar que o pior aconteça”, alertou Batista.

Parlamentares e centenas de lideranças do serviço público participaram do ato e reforçaram que a Reforma Administrativa fragiliza os serviços públicos e agrava a situação de vulnerabilidade da população brasileira. Na visão de Pedro Pontual, presidente da Anesp, a reforma feita sem planejamento trará consequências drásticas a curto, médio e longo prazos.

Pontual ainda criticou a condução da avaliação de desempenho proposta pela PEC 32. “O foco da PEC se limita à entrega do pessoal, mas não discute a estrutura, as ferramentas e a informação”, disse.

Ao final do encontro, entidades integrantes do Movimento “Basta!” reafirmaram o compromisso de atuação conjunta em cima das estratégias avaliadas como as mais eficazes. Decidiram, também, integrar a mobilização no grande ato “Lockdown Nacional”, programado para o dia 24 de março, em reivindicação pela aceleração da vacinação e retomada do auxílio pelo valor de R$ 600,00, pautas prioritárias desta campanha.

🔥62 Total de Visualizações