Fórum Permanente de Carreira do PJU realiza reunião e aborda recomposição salarial, valorização da carreira e pontos específicos para analistas, técnicos, polícia judicial, auxiliares e oficiais de justiça

Na ocasião, foram criados três grupos temáticos para realizar estudos e apresentar propostas

O Fórum Permanente de Gestão da Carreira dos Servidores do PJU realizou, nesta quarta-feira (9/6), a primeira reunião para discutir pauta de reivindicações dos servidores. Figuraram como temas em destaque, entre outros, questões como: remuneração e recomposição salarial, valorização da carreira e qualidade de vida no trabalho, estrutura e pautas específicas de cada cargo.

A reunião foi conduzida pelo coordenador do Fórum conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho, que apontou caminhos para o bom andamento dos trabalhos dentro do Fórum e permitiu que os integrantes debatessem entre si temas de relevância.

Representando o Sindjus-DF, participaram o coordenador-geral Costa Neto e o coordenador jurídico Cledo Vieira.

Para aprimorar o andamento dos trabalhos, conforme já sugerido anteriormente na primeira reunião, em que se estabeleceu como pautas prioritárias o NS, Direito de Advogar, Reenquadramento dos Auxiliares, Polícia Judicial e VPNI dos oficiais de justiça, Costa Neto propôs a necessidade de criação de grupos de estudo formados pelas entidades e representantes dos tribunais integrantes do Fórum para esmiuçar as pautas e apresentar dados técnicos para subsidiar o encaminhamento das demandas.

“Eu adianto que são temas que precisam ser debatidos e precisam chegar a um consenso em relação a todos eles. Já proponho aqui que a gente crie grupos de estudos, para que já tragam um material pronto e um posicionamento acerca de cada item”, disse Costa Neto.

A Secretária de Gestão de Pessoas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ana Cláudia Braga Mendonça, pontuou que, além das questões remuneratórias, fossem debatidas pautas voltadas para valorização da carreira, para que os servidores tenham ganhos indiretos e sintam-se motivados.

O presidente da Associação dos Servidores do Supremo Tribunal Federal, Osiel Ribeiro da Silva, perfilhando o mesmo ponto de vista de Cláudia Braga, ressaltou a necessidade de alternativas diante da situação econômica que o país vive.

“A questão do fórum não é para discutir única e exclusivamente reajuste, mas é para discutir a carreira. A nossa carreira está totalmente defasada. O reajuste é importante, mas sabemos que estamos em um momento muito complicado em relação à pandemia, precisamos buscar alternativas para beneficiar os servidores”, disse Osiel.

Ao final do encontro, ficou definida a criação de três grupos de trabalho, que estarão focados nos seguintes eixos temáticos:

1.     Estruturação de cargos, revisão de normas e portarias conjuntas, desenvolvimento na carreira e qualidade de vida no trabalho (QVT);
2.     Recomposição e questões salariais;
3.     Reenquadramento dos auxiliares e VPNI dos Oficiais de Justiça

Considerando que o Fórum adotou proposta de deslocar os temas NS, Polícia Judicial e Direito de Advogar para o grupo 1 (Estruturação de cargos, revisão de normas e portarias conjuntas, desenvolvimento na carreira e qualidade de vida no trabalho – QVT), o coordenador-geral do Sindjus-DF, Costa Neto, requereu que os temas específicos de cada cargo (analista, técnicos, polícia judicial, auxiliares e oficiais de justiça) fossem priorizados.

As entidades e tribunais participantes do Fórum ficaram de indicar os nomes de seus representantes nos grupos de trabalho até sexta-feira (11/6). A próxima reunião será no dia 7 de julho, com apresentação de relatório dos grupos sobre as propostas apresentadas nesta quarta-feira.

🔥365 Total de Visualizações