Confira programação do IV Festival Cara e Cultura Negra

Chegamos a mais um mês da Consciência Negra e a mais um Festival Cara e Cultura Negra. Neste ano de 2008, completando sua IV edição, o festival acontecerá de 5 a 20 de novembro, no Teatro Nacional Cláudio Santoro e na Praça Zumbi dos Palmares. Vale a pena conferir! São exposições fotográficas e educacionais, espetáculo de dança, mostra de filmes e shows que além de entretenimento, objetivam uma profunda reflexão sobre a situação do negro no Brasil.

05/11 – Quarta-feira – Apoio SINPRO/DF – Evento Cara e Cultura Negra

18h00 – Kanimando – Desfile de Moda e Beleza Negra
Mostras Educacionais e Fotográficas
20h00 – Cerimônia de Abertura
21h00 – Balé Folclórico da Bahia – TNCS – Sala Vila Lobos
*Disponibilidade de 100 ingressos para professoras/es sindicalizadas/os e que trabalham com a temática.
Contato com a Secretaria para Assuntos de Raça e Sexualidade, 3343-4235 com Ana Regina.

De 11 a 14/11 – Terça a Sexta-feira – Apoio SINPRO/DF – Evento Cara e Cultura Negra

Das 10h00 às 15h00 – Visitas Guiadas para alunos da Rede Pública.
Mostras Educacionais e Fotográficas

*Exposição Fotográfica e Mostra Educacional
Diáspora Africana
Travestis Femininas – Passado e Presente

*Exposição Fotográfica
No Coração da África
Fotógrafos Internacionais
Bertie Winkel – Boaz Rottem – Dos Winkel
Marco Paoluzzo – Steve Evans – Vincent de Groot

*Exposição Fotográfica
Corpo Negro
Fotógrafa – Silvana Leal

*Exposição Educacional
Mulheres Negras do Brasil
Shuman Shumaher

*Exposição Educacional
Barro, vento e sol. Raízes de uma arquitetura africana
Arquitetura e simbologia das vilas Dogon

*Exposição Educacional
Centenário Solano Trindade

*Exposição Educacional
120 anos: A Abolição Inconclusa

*Exposição Educacional
Exposições Temáticas
– Artesanato
– Artes Plásticas

Local: TNCS – Foyer e Mezanino da sala Vila Lobos

O Sindicato dos Professores disponibilizará, 03 ônibus para o turno matutino e 03 ônibus para o turno vespertino durante os dias 11, 12, 13 e 14/11. As escolas que trabalham com a temática, deverão agendar até o dia 10/11, nos telefones 3388-5144, falar com Sirlene e 3343-4235, falar com Ana Regina.
Agendamentos limitados.

19/11 – Quarta-feira

Mostra de Filmes

15h00
Amistad – Direção: Steven Spielberg

Costa de Cuba, 1839. Dezenas de escravos negros se libertam das correntes e assumem o comando do navio negreiro La Amistad. Eles sonham retornar para a África, mas desconhecem navegação e se vêem obrigados a confiar em dois tripulantes sobreviventes, que os enganam e fazem com que, após dois meses, sejam capturados por um navio americano, quando desordenadamente navegaram até a costa de Connecticut. Os africanos são inicialmente julgados pelo assassinato da tripulação, mas o caso toma vulto e o presidente americano Martin Van Buren (Nigel Hawthorn), que sonha ser reeleito, tenta a condenação dos escravos, pois agradaria aos estados do sul e também fortaleceria os laços com a Espanha, pois a jovem Rainha Isabella II (Anna Paquin) alega que tanto os escravos quanto o navio são seus e devem ser devolvidos. Mas os abolicionistas vencem, e no entanto o governo apela e a causa chega a Suprema Corte Americana. Este quadro faz o ex-presidente John Quincy Adams (Anthony Hopkins), um abolicionista não-assumido, sair da sua aposentadoria voluntária, para defender os africanos.
17h30
Quanto vale ou é por quilo – Direção: Sérgio Bianchi

O filme traça um paralelo entre a vida no período da escravidão e a sociedade brasileira contemporânea, focalizando as semelhanças existentes no contexto social e econômico das duas épocas. Com muitos atores afro-brasileiros, a ação se desenrola nesses dois períodos históricos ao mesmo tempo.

Quanto vale ou é por quilo? utiliza linguagens variadas para contar essa história. Entre elas, trechos de documentários e pequenos contos de enredo, baseados em crônicas de Nireu Cavalcante, extraídas de autos do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro. Apesar de ser um filme de ficção, a escravatura é mostrada como está descrita nesses documentos, e em outros escritos históricos da época.

Ao traçar esse paralelo entre o século XIX e o tempo atual, o filme questiona até que ponto a estrutura da sociedade brasileira realmente mudou da época colonial até hoje.

Local: Auditório da Sede do SINPRO/DF
SIG quadra 06, nº 2.260

21/11 – Sexta-feira

Shows com o Grupo Sarkofa, Grupo AIÊ e com Renata Jambeiro

Local: La Salle
SGAS 906, conjunto
Início dos shows 21h00

Os convites serão entregues na sede e subsedes do SINPRO/DF até o dia 19/11. Convites Limitados

🔥17 Total de Visualizações