CUT realiza Seminário Internacional “Crise e Estratégias Sindicais”

Na próxima segunda e terça-feiras (3 e 4 de agosto), a Central Única dos Trabalhadores realiza no Centro de Convenções – Expo Center Norte, São Paulo, o Seminário Internacional “Crise e Estratégias Sindicais”.

Conforme o secretário de Relações Internacionais da CUT, João Antonio Felício, “o objetivo do evento é analisar o cenário atual de crise financeira e econômica e as perspectivas pós-crise, buscando construir estratégias sindicais de enfrentamento e disputa de um modelo de desenvolvimento alternativo ao hegemônico”.

PARTICIPAÇÕES – Entre outras importantes contribuições, o Seminário contará com a participação de Ladislau Dowbor, economista e professor da PUC São Paulo; ministro Luiz Dulci, Secretário Geral da Presidência da República do Brasil; Laís Abramo, diretora do Escritório da Organização Internacional do Trabalho – OIT no Brasil; Mark Weisbrot, Co-diretor do Center for Economic and Policy Research; John Evans, Secretário Geral da TUAC/OCDEl; Samuel Pinheiro Guimarães, Secretário Geral do Itamaraty; Theotonio dos Santos, economista; Ricardo Abramovay, professor titular do Departamento de Economia da FEA; Sharan Burrow – Presidenta da ACTU e da integrante da CSI; Victor Baez, Secretário Geral da Confederação Sindical das Américas – CSA/CSI; Kouglo Lawson Body, Coordenador de Políticas Sociais e Econômicas da CSI África. Coordenarão as mesas, além de João Felício, o presidente da CUT, Artur Henrique; o secretário-geral, Quintino Severo e a secretária nacional da Mulher Trabalhadora, Rosane Silva.

“A atuação internacional da CUT nos últimos três anos teve como principal fundamento o fortalecimento e a unificação do sindicalismo mundial em defesa dos empregos com salários dignos e respeito aos direitos sociais e trabalhistas, defendendo a solidariedade e auto-determinação dos povos no combate à globalização neoliberal”, acrescentou Felício.

No último período, ressaltou o dirigente, as relações com o continente africano tomaram dimensões maiores com parcerias com as centrais que fazem parte do grupo de Países Africanos de Língua Portuguesa. O aprofundamento e fortalecimento das relações Sul/Sul também foram reforçados com a aliança triangular CUT/COSATU/KCTU.

“Conjuntamente com as centrais sindicais das Américas que compõem a Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul (CCSCS), a CUT defendeu a consolidação de um Mercosul produtivo, econômico e social. A integração continental foi evidenciada pelo avanço da UNASUL, fortalecimento da CSA (Central Sindical dos Trabalhadores das Américas) e ações junto à Aliança Social Continental. A luta contra a ALCA e contra a Rodada de Doha foram exemplos claros da mobilização cutista contra a hegemonia da globalização neoliberal”, apontou.

Entre os avanços do período está o projeto CUTMulti, que potencializou a criação de redes sindicais na luta contra os abusos das multinacionais, estreitando o relacionamento com as Federações Sindicais Internacionais. O apoio à Universidade Global do Trabalho foi um dos instrumentos de formação para a base cutista. A defesa dos direitos dos trabalhadores/as migrantes também esteve na agenda internacional da CUT e parcerias foram firmadas para estimular a filiação sindical desses trabalhadores/as. A aliança com os movimentos sociais foi reforçada neste período e o Fórum Social Mundial continua sendo um grande espaço de debate e mobilização. A intensificação da participação da CUT nas ações da CSI (Confederação Sindical Internacional) contribuiu para a construção de um plano de lutas global pela manutenção e ampliação dos direitos laborais. Também ganharam destaque as intervenções da central junto à Organização Internacional do Trabalho (OIT).

“Em meio ao período de crise financeira internacional, em conjunto com o movimento sindical internacional, a CUT defendeu a criação de fóruns e organismos que tenham como objetivo a cooperação econômica para o desenvolvimento social, com sustentabilidade ambiental e soberania popular, colocando na ordem do dia a necessidade de uma nova ordem econômica internacional, com rígido controle do sistema financeiro e o fim dos paraísos fiscais. Ao mesmo tempo, a CUT redobrou esforços junto à OIT em defesa da manutenção dos direitos e participou ativamente das reuniões do G-8 e do G-20, sublinhando o papel dos Estados nacionais na defesa dos empregos e dos serviços públicos”, enfatizou.

Entre outras importantes ações solidárias, foram estreitados os laços com o povo cubano, com uma denúncia firme do criminoso bloqueio norte-americano; foi dado um amplo apoio ao povo boliviano em sua luta contra a tentativa da direita e do imperialismo norte-americano de dividir o país, e também ao povo haitiano, que busca a efetivação da sua soberania. Recentemente, a CUT se posicionou de forma enfática contra os golpistas de Honduras, exigindo a restituição da presidência a Manuel Zelaya.

PROGRAMA

Segunda-feira – 3/8

14:00 – Abertura

Artur Henrique da Silva Santos – Presidente da CUT Brasil

João Antonio Felício – Secretário de Relações Internacionais da CUT Brasil

14:30 – Mesa 1: O desenvolvimento necessário pós crise

Debatedores:

Ladislau Dowbor – Economista e professor da PUC São Paulo

Ministro Luiz Dulci – Secretário Geral da Presidência da República do Brasil

Laís Abramo – Diretora do Escritório da Organização Internacional do Trabalho – OIT no Brasil

Coordenador: Artur Henrique da Silva Santos – Presidente da CUT Brasil

Debate

16:15 – 16:30 – Pausa para café

16:30 – Mesa 2: O sistema financeiro internacional e suas instituições: as transformações necessárias
Debatedores:

Mark Weisbrot – Co-diretor do Center for Economic and Policy Research

John Evans – Secretário Geral da TUAC/OCDE

Coordenador: João Antonio Felicio – Secretário de Relações Internacionais da CUT Brasil

Debate

18:15 – Encerramento

Terça-feira – 4/8

09:00 – Mesa 3: Estado e Sociedade: ações para a construção de um modelo de desenvolvimento sustentável
Debatedores:

Samuel Pinheiro Guimarães – Secretário Geral do Itamaraty (a confirmar)

Theotonio dos Santos, economista

Ricardo Abramovay, professor titular do Departamento de Economia da FEA

Coordenadora: Rosane Silva, Secretaria Nacional sobre a Mulher Trabalhadora da CUT

Debate

10:45 – 11:00 – Pausa para café

11:00 – Mesa 4: Estratégia e ações do movimento sindical

Debatedores:

Sharan Burrow – Presidenta da ACTU e da CSI

Victor Baez – Secretário Geral da Confederação Sindical das Américas – CSA/CSI

Kouglo Lawson Body – Coordenador de Políticas Sociais e Econômicas da CSI África

KCTU (a confirmar)

Coordenador: Quintino Marques Severo – Secretário Geral da CUT Brasil

Debate

12:45 – Encerramento e encaminhamentos

João Antonio Felicio – Secretário de Relações Internacionais da CUT Brasil

🔥37 Total de Visualizações