Explicações sobre o reajuste do auxílio-alimentação

Em razão do questionamento de alguns servidores sobre a diferença existente entre os cálculos efetuados pelo STF para se chegar ao valor de 799 reais na correção do auxílio alimentação de seus servidores, o Sindjus explica que:

Por não estar o Supremo Tribunal Federal submetido ao CNJ, a Portaria que trata do valor do auxílio alimentação do STF é específica, diferente da que regulamentou o valor do auxílio para os demais tribunais (Portaria Conjunta CNJ 01/2014).

O Supremo reajustou o auxílio de seus servidores em 2014 antes da Portaria Conjunta tratando sobre esse tema (que envolve todos os tribunais menos STF e TSE), arredondando o valor para R$ 751, o mesmo valor recebido pelos servidores do MPU.

Isto é, para deixar mais claro, a Portaria Conjunta assinada pelos presidentes do CNJ, STJ, CJF, TST, CSJT, STM e TJDFT, abrangendo boa parte da categoria em todo o país, não arredondou o cálculo, ficando o valor do auxílio alimentação nesses órgãos em R$ 751,96.

Em relação ao reajuste atual, segundo dados obtidos no site do Banco Central, o IPCA acumulado em 2014 foi de 6,4076200%, desse modo, o valor deve ir para R$ 800,14 e não para R$ 799.

O Sindjus, no requerimento que enviou para todos os órgãos do Judiciário e do MPU, pede a aplicação do índice total do IPCA na correção, conforme determina o artigo 105 da LDO, sem determinação de valores. Sendo assim, compreende que o valor a ser defendido nos demais tribunais seja de R$ 800,14 e não de R$ 799.

🔥19 Total de Visualizações