Sindjus-DF repudia fala do ministro Paulo Guedes, de que servidores podem ficar sem salários caso PEC dos Precatórios não seja aprovada

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou, durante audiência pública da Comissão de Relações Exteriores do Senado, nessa quinta-feira (19/08), que, caso a proposta de parcelamentos de precatórios não passe no Congresso, faltará dinheiro para pagar o salário dos servidores.

“Se precatório não passar, vamos mandar orçamento de R$ 90 bilhões e vai faltar dinheiro para pagamentos até de salários. Se não descumprir uma lei, descumprimos outra”, afirmou Guedes.

Trata-se de mais uma ofensiva do ministro para aprovar sua pauta-bomba, que traz sérios prejuízos para a população. Além da PEC 32/20 – a Reforma Administrativa, Paulo Guedes tenta forçar a aprovação da PEC 23/21 – PEC dos Precatórios, apelidada de PEC do Calote, entregue na semana passado ao Congresso Nacional.

Apesar das declarações do ministro da Economia de que, diante do aumento das despesas com dívidas judiciais, pode faltar dinheiro para o pagamento de servidores públicos, não há qualquer previsão legal para suspensão de salários por conta do crescimento de outras despesas.

Nem mesmo o teto de gastos — que limita o crescimento das despesas da União à inflação do ano anterior — é justificativa para não pagar salários.

Salários e aposentadorias são despesas obrigatórias e precisam ser pagas. Não podem ser bloqueadas e nem cortadas.

Para o Sindjus-DF, a fala do ministro da Economia só demonstra sua face cruel, de bravatas e ameaças ao conjunto do funcionalismo público, de modo que deve ser de pronto rechaçada e repudiada, pois os servidores públicos não podem viver sob ameaça. Além dos danos provocados à saúde mental por conta da pandemia de Covid-19, os servidores ainda precisam lidar com esse cenário de tensão e insegurança fomentado por Guedes.

“O ministro Paulo Guedes quando não tem mais argumentos para defender suas propostas absurdas, apela com desfaçatez para ataques, ameaças e chantagens, escolhendo sempre o servidor público como alvo. Ao contrário de se debruçar sobre um projeto sério de desenvolvimento econômico capaz de recolocar o País nos trilhos, com geração de empregos e valorização dos serviços públicos, Guedes prefere falar bobagens e mais bobagens para se manter na mídia e tentar emplacar absurdos”, afirmou Costa Neto, coordenador-geral do Sindjus-DF.

“O Congresso Nacional não pode ceder à pressão feita pelo ministro Paulo Guedes, tampouco a população acreditar nessas bravatas. Devemos permanecer firmes nas lutas contra a Reforma Administrativa e outros ataques do governo, trabalhando em várias frentes para impedir o desmonte dos serviços públicos e o calote dos credores da União,” finalizou Costa Neto.

Com informações do Jornal Extra

🔥114 Total de Visualizações